Feapaes-ES divulga infográfico sobre taxa de letalidade da covid-19 nas pessoas com deficiência

foto destaque
Apae-ES
20 de abril de 2021
Risco de uma pessoa com deficiência que contraiu covid-19 morrer é 150% maior do que a média geral. Baseado nesses dados, é possível afirmar que a covid-19 é mais letal nas pessoas com deficiência.
O número de casos de covid-19 segue crescendo e, consequentemente, o número de mortes também segue subindo. Já são mais de 141 milhões de casos no mundo. No Espírito Santo, mais de 418 mil pessoas já se contaminaram. Hoje, a taxa de letalidade na população capixaba é de 2,1%. Porém, de acordo com dados* do Painel Covid-19, da Secretaria de Estado da Saúde, a taxa de letalidade nas pessoas com deficiência sobe vertiginosamente para 4,9%, com 330 óbitos para 6.689 casos. Ou seja, o risco de uma pessoa com deficiência que contraiu covid-19 morrer é 150% maior do que a média geral. Baseado nesses dados, é possível afirmar que a covid-19 é mais letal nas pessoas com deficiência.

A condição de deficiência em si não é um fator de risco, mas sim as questões associadas como presença de comorbidades, baixa imunidade, dificuldades com isolamento social, fatores socioeconômicos, acesso a serviços de saúde, entre outros. 

Com base nesses dados, a Federação das Apaes do Estado do Espírito Santo (Feapaes-ES) destaca a necessidade de um olhar diferenciado a esse grupo minoritário. "Temos chamado a atenção desde o início que a pandemia afeta de forma diferente as diversas parcelas da população, sendo especialmente mais dramática para as minorias socialmente vulneráveis. Agora, é possível ver de forma clara, através desses números, como as pessoas com deficiência são afetadas de forma diferente e mais crítica. Por isso, é importante que sejam adotadas medidas que protejam essas pessoas. As Apaes e coirmãs estão fazendo a sua parte de forma muito ativa nesse período", afirma Vanderson Pedruzzi Gaburo, presidente da Feapaes-ES.

A luta da Feapaes-ES, juntamente com outras entidades, em prol da pessoa com deficiência durante a pandemia já rendeu frutos. Em fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde passou a incluir todas as pessoas com deficiência no grupo prioritário de vacinação. Antes, apenas pessoas com deficiência permanente severa faziam parte desse grupo. Agora, profissionais da Educação também foram incluídos na antecipação da vacinação. Porém, ainda é necessário que se cumpra a Lei Brasileira de Inclusão e que se tenha a construção de medidas, por parte do Poder Público, que sejam direcionadas a esse público mais vulnerável.

 * Dados atualizados referentes ao dia 20/04/2021